Why Brain?

Let's Brain

Sua empresa pode ser muito mais competitiva com a Brain

Descubra a melhor vocação para um terreno

Com os estudos vocacionais da Brain, com uso de ferramentas geodemográficas, analise de oferta e estimativas de absorção, é possível ter muito mais assertividade para a determinação de um produto imobiliário ou para instalação de um ponto comercial.

Saiba o tamanho e a configuração da oferta

Com mapeamentos constantes e presenciais em todo o Brasil, acompanhamos os níveis de oferta e absorção em diversas regiões, permitindo uma avalição de oportunidades de mercado e níveis de precificação.

Conheça a demanda

Com pesquisas qualitativas, com entrevistas em profundidade, focus groups, clientes ocultos e outras abordagens, é possível entender as percepções e motivações de um consumidor para aceitação, aquisição ou rejeição de um produto.

Quantifique a demanda

Com pesquisas quantitativas in loco, com amostragens probabilísticas, determinamos o tamanho potencial da demanda por um empreendimento imobiliário ou outro produto.

Por que não estou vendendo ?

Pela metodologia de diagnósticos comerciais completos, fazemos análise e as recomendações necessárias para ativação comercial de um empreendimento ou produto.

Ache o melhor local para instalação de sua empresa

Análises de localização para varejo, operações logísticas e indústrias permitem reduzir o nível de incerteza e localizar uma ocupação comercial de forma mais adequada, de acordo com os potenciais de consumo existentes e o nível de oferta.

Tel.: +55 (41) 3243.2880

Blog

12/01/2018 Por: brain

LANÇAMENTOS CRESCEM 44,5% EM CURITIBA E PREÇOS SUPERAM INFLAÇÃO COM FOLGA

Por: Assessoria de comunicação

De janeiro a agosto deste ano, 2.404 unidades, entre novos apartamentos e unidades comerciais, foram lançadas em Curitiba, segundo dados da Associação dos Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário do Paraná (Ademi-PR), em parceria com a Brain Bureau de Inteligência Corporativa, que leva em conta os imóveis vendidos na planta ou prontos para morar.

O número supera as unidades lançadas no mesmo período do ano anterior em 44,5% e sinaliza uma retomada na produção de novos imóveis na capital paranaense. Ainda em março deste ano, diante do menor estoque de imóveis de Curitiba em seis anos, os empresários disseram que esperavam uma reação do setor a partir do segundo semestre. E essa reação veio.

Mas uma recuperação de verdade, com um ajuste também no estoque de unidades comerciais, com o retorno de um bom ritmo de vendas para o mercado todo e um impacto positivo no preço dos imóveis usados, só virá com uma redução maior nos juros e uma queda mais acelerada do desemprego.

“Os juros já caíram bastante e, embora a resposta não seja imediata, esta queda está chegando ao consumidor. Hoje, com R$ 6 mil uma família consegue comprar praticamente o mesmo imóvel para o qual precisava de uma renda de R$ 9 mil lá no início do ano”, avalia o vice-presidente da Ademi-PR, Leonardo Pissetti.

Não à toa, a faixa que mais se destaca entre os novos apartamentos lançados na capital paranaense é a de imóveis até R$ 400 mil, faixa que corresponde ao imóvel de entrada das famílias de classe média na cidade. O número de imóveis neste valor cresceu 13,4% em relação a 2016, com 1.191 unidades lançadas neste ano.

Na outra ponta, e também em destaque nos primeiros oito meses de 2017, estão os imóveis a partir de R$ 1 milhão, com 10,7% de alta no número de novas unidades (156 novos apartamentos em Curitiba). Foi essa faixaa, aliás, que ajudou a puxar o preço médio dos novos apartamentos da capital paranaense para cima em 2017, para R$ 7.058 o metro quadrado.

De janeiro a agosto, a alta acumulada é de 5,4%, mais do que o dobro da inflação oficial do período, medida pelo IPCA, de 1,62%.

Se até o ano que vem a queda nos juros for repassada pelos bancos com maior intensidade, tanto para o cliente final quanto para o setor, impactando também nos custos de produção, Pissetti diz que a tendência é de construtoras e incorporadoras de Curitiba invistam mais nas faixas intermediárias, entre R$ 400 mil e R$ 1 milhão.

Ainda assim, mais da metade dos novos lançamentos no ano que vem deverá se concentrar nas primeiras faixas de até R$ 400 mil, já que são essas as de maior demanda da população.

Atualmente, Curitiba tem 8.169 apartamentos novos à venda. O mercado argumenta que um número “saudável” para a cidade, ou seja, que atenda a demanda sem desbancar para a superoferta, é de cerca de 5 mil unidades por ano.

“Ainda temos dois anos para um ajuste [no estoque], e isso depende do planejamento colocado em pauta por esse governo [federal]”, observa Pissetti, se referindo às reformas propostas e com as quais todo o setor produtivo está contando.

De maneira geral, o entusiamo é menor em relação aos imóveis comerciais, que ainda dependem diretamente também de uma maior retomada mais forte de setores como comércio e serviços. Mesmo entre as unidades recém-lançadas, os preços desses imóveis ainda estão perdendo para a inflação.

No último mês de agosto, o preço médio do metro quadrado desses imóveis ficou em R$ 9.660, apenas um pouco acima do preço médio do fim de 2016, de R$ 9.642.

Curitiba retoma lançamentos

De janeiro a agosto de 2017, o número de novos apartamentos em Curitiba cresceu 44,5% em comparação com o mesmo período de 2016. Os preços das novas unidades também mostram recuperação. Acompanhe:

Estoque

A capital paranaense fechou o ano passado com o menor estoque de imóveis residenciais novos em seis anos. Confira:

 

Evolução do preço dos imóveis novos em Curitiba

Preço médio por metro quadrado privativo (em R$)