Why Brain?

Let's Brain

Sua empresa pode ser muito mais competitiva com a Brain

Descubra a melhor vocação para um terreno

Com os estudos vocacionais da Brain, com uso de ferramentas geodemográficas, analise de oferta e estimativas de absorção, é possível ter muito mais assertividade para a determinação de um produto imobiliário ou para instalação de um ponto comercial.

Saiba o tamanho e a configuração da oferta

Com mapeamentos constantes e presenciais em todo o Brasil, acompanhamos os níveis de oferta e absorção em diversas regiões, permitindo uma avalição de oportunidades de mercado e níveis de precificação.

Conheça a demanda

Com pesquisas qualitativas, com entrevistas em profundidade, focus groups, clientes ocultos e outras abordagens, é possível entender as percepções e motivações de um consumidor para aceitação, aquisição ou rejeição de um produto.

Quantifique a demanda

Com pesquisas quantitativas in loco, com amostragens probabilísticas, determinamos o tamanho potencial da demanda por um empreendimento imobiliário ou outro produto.

Por que não estou vendendo ?

Pela metodologia de diagnósticos comerciais completos, fazemos análise e as recomendações necessárias para ativação comercial de um empreendimento ou produto.

Ache o melhor local para instalação de sua empresa

Análises de localização para varejo, operações logísticas e indústrias permitem reduzir o nível de incerteza e localizar uma ocupação comercial de forma mais adequada, de acordo com os potenciais de consumo existentes e o nível de oferta.

Tel:+55 (41) 3243.2880
  • Blog

    26/10/2016 Por: Brain

    Como você seleciona novos membros para a sua equipe?

    Além da experiência e personalidade do candidato, você considera seu estilo de pensar?

    Já pensou nesta possibilidade?

    Ao contratar, você pode considerar mais do que o candidato sabe ou quão rápido ele aprende. Você quer pessoas que tenham não apenas habilidade mental, mas agilidade mental; que sejam capazes de desaprender e que mudem seu pensamento. Em algumas funções, é muito importante que estas pessoas possuam a habilidade de, ainda, mudar o pensamento dos outros. Grandes líderes, hoje, são capazes de persuadir, criando e modelando o modelo mental de suas organizações e comunidades.

    Nestes tempos de rápidas mudanças, não é suficiente apenas fazer novas coisas. Nós temos que pensar de novas maneiras. E isto é mais do que “estar fora da caixinha”. Precisamos projetar uma nova caixinha e achar o caminho da velha para a nova caixinha. Podemos começar tornando-nos conscientes de nossos modelos mentais, entendendo nossos estilos de pensar e conduzindo nossos times como orquestras de pensadores diversos e complementares.

    Mark Bonchek e Elisa Steele explicam como nós pensamos a partir de duas dimensões.

    A primeira dimensão, Foco, se refere aos fatores que você tende a prestar mais atenção, que são: ideias, processos, ações e relacionamentos.

    Já a segunda dimensão, Orientação, se refere à escala que você aborda situações. Você gosta de ser mais detalhado ou mais amplo?

    Combinando estas duas dimensões, você pode começar a entender os estilos de pensamentos que afetam a maneira que você é.

    Exploradores geram ideias criativas, enquanto experts alcançam objetividade e insights.

    Planejadores projetam sistemas eficazes, enquanto otimizadores focam em produtividade e eficiência.

    Energizadores mobilizam as pessoas à ação, enquanto produtores preferem concluir a ação.

    Conectores pensam em construir e fortalecer relacionamentos no trabalho, enquanto coaches preferem trabalhar um a um, cultivando o potencial individual.

     

    Texto traduzido e adaptado de: https://hbr.org/2016/06/design-how-your-team-thinks