Por que Brain?

Let's Brain

Sua empresa pode ser muito mais competitiva com a Brain

Descubra a melhor vocação para um terreno

Com os estudos vocacionais da Brain, com uso de ferramentas geodemográficas, analise de oferta e estimativas de absorção, é possível ter muito mais assertividade para a determinação de um produto imobiliário ou para instalação de um ponto comercial.

Saiba o tamanho e a configuração da oferta

Com mapeamentos constantes e presenciais em todo o Brasil, acompanhamos os níveis de oferta e absorção em diversas regiões, permitindo uma avalição de oportunidades de mercado e níveis de precificação.

Conheça a demanda

Com pesquisas qualitativas, com entrevistas em profundidade, focus groups, clientes ocultos e outras abordagens, é possível entender as percepções e motivações de um consumidor para aceitação, aquisição ou rejeição de um produto.

Quantifique a demanda

Com pesquisas quantitativas in loco, com amostragens probabilísticas, determinamos o tamanho potencial da demanda por um empreendimento imobiliário ou outro produto.

Por que não estou vendendo ?

Pela metodologia de diagnósticos comerciais completos, fazemos análise e as recomendações necessárias para ativação comercial de um empreendimento ou produto.

Ache o melhor local para instalação de sua empresa

Análises de localização para varejo, operações logísticas e indústrias permitem reduzir o nível de incerteza e localizar uma ocupação comercial de forma mais adequada, de acordo com os potenciais de consumo existentes e o nível de oferta.

Tel:+55 (41) 3243.2880
  • Blog

    01/02/2019 Por: Brain

    Como se apaixonar (de novo) pelo seu negócio

    O que acontece quando nos apaixonamos pelo nosso negócio?

    É uma pergunta comum que é compreensivelmente difícil de responder como presidente, parceiro ou proprietário. Quando vamos à luta pelos nossos grandes sonhos, geralmente há baixas de guerra. É comum sacrificar tempo, hobbies e até mesmo nossa cultura de trabalho na busca de algo maior. E ao longo do caminho, podemos até deixar de amar o nosso negócio.

    Então, como nos reorientamos? Como podemos reacender o amor pelo nosso trabalho e propósito? Voltemos ao básico e nos perguntemos essas três questões.

    1. O que eu preciso da minha empresa?
    Quando estamos construindo um negócio, estamos ocupados criando uma base de clientes. Estamos constantemente perguntando o que nossos clientes, funcionários e parceiros precisam. Estamos ajustando, iterando e criando. Isso é esperado e normal. É um sinal de um líder forte para considerar os outros.

    Mas muitos de nós precisam lembrar que é bom, saudável e necessário considerar também nossas próprias necessidades. Que vão do financeiro ao emocional. Podemos precisar de uma certa quantia de lucros para nossa família e nosso futuro. Podemos precisar de um sentimento de sucesso ou realização. Podemos precisar de mais tempo longe de nossos negócios ou responsabilidade daqueles que nos rodeiam.

    O que você precisar, faça uma lista e torne-a visível. Quando mesclamos nossas necessidades com as necessidades daqueles que nos rodeiam, criamos uma situação vantajosa para toda a nossa organização.

    2. O que eu preciso da minha equipe?
    Pode ser difícil expressar o que precisamos daqueles que estão ao nosso redor. Até mesmo a questão em si pode parecer egoísta – mas na verdade é exatamente o oposto. Todos em sua equipe de liderança têm necessidades. Mas se é certo ou não comunicá-las abertamente, geralmente depende de você.

    Começar esta conversa pode ser complicado e pode parecer estranho no começo. É fácil para nós, como líderes, fazer suposições sobre como as pessoas podem reagir se abrirmos e compartilharmos nossas necessidades. Mas parte de se apaixonar pelo seu trabalho é ser honesto com sua equipe. Eles desempenham um papel fundamental em ajudá-lo a não apenas realizar o que você precisa fazer, mas também se sentir satisfeito com o modo como você está fazendo isso. Todos dentro de sua organização lutarão com um senso de satisfação, satisfação e clareza.

    Quando você se abre para sua equipe, está convidando-os a fazer o mesmo; líderes corajosos inspiram coragem nos outros. E as pessoas adoram se sentir como se fossem parte de um time dos sonhos.

    3. Quais são as regras ou crenças antigas que eu preciso abandonar este ano?
    Muitos de nós nos apegamos a velhas regras e crenças sem sequer saber disso.

    Eu tenho que manter as pessoas felizes.
    Eu devo estar no escritório às oito.
    Eu devo verificar o email nas férias.
    Eu não posso pedir aos outros que trabalhem mais.
    Eu sou o único que pode lidar com essa tarefa.
    Eu não tenho sucesso a menos que estejamos ganhando “x”.
    Quaisquer que sejam essas regras, muitas delas não são ditas e muitas delas estão desatualizadas. Esse desalinhamento naturalmente produz um sentimento de culpa – sentindo que deveríamos estar seguindo regras antigas (muitas vezes subconscientes).

    Se você quiser dar um passo à frente para se sentir confiante e satisfeito, considere as regras de sua empresa e da sua vida. Quantas delas precisam ser jogadas fora? Quantas são obsoletas? Que novas regras você pode elaborar?

    Recuperar ou reacender sua paixão é uma jornada.

    Mas também é uma oportunidade maravilhosa e deve ser cheia de curiosidade. Não deixe seus sentimentos de dúvida ou confusão escurecerem outroano. Seja honesto com as pessoas ao seu redor, comunique suas necessidades e convide outras pessoas a fazer o mesmo.

    Seu negócio precisa de você e você precisa do seu negócio.

     

    Adaptado do original em inglês.